Diante do Trono recebe Disco de Ouro pelo CD “Sol da Justiça” ~ BLOG DO ANTONIO MORENO Anéis de ouro pandora


Anéis de ouro pandora

pandora zus charme
パンドラブラケット
pandora ringe
パンドラサイト

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Tamanho: px Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LUCIENE SOUZA SANTOS A EMÍLIA QUE MORA EM CADA UM DE NÓS: A CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR-CONTADOR DE HISTÓRIAS Salvador 2013

2 2 LUCIENE SOUZA SANTOS A EMÍLIA QUE MORA EM CADA UM DE NÓS: A CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR-CONTADOR DE HISTÓRIAS Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do título de Doutora em Educação. Linha de Pesquisa: Filosofia, Linguagem e Práxis Pedagógica Orientadora: Profa. Drª. Mary de Andrade Arapiraca Salvador 2013

3 3 SIBI/UFBA/Faculdade de Educação Biblioteca Anísio Teixeira Santos, Luciene Souza. A Emília que mora em cada um de nós: a constituição do professor-contador de histórias / Luciene Souza Santos f. il. Orientador: Profa. Dra. Mary de Andrade Arapiraca. Tese (doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, Salvador, Arte de contar histórias. 2.Contadores de histórias Narrativas pessoais. 3. Memória. 4.Professores - Formação. I. Arapiraca, Mary de Andrade. II. Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação. III. Título. CDD ed.

4 4 LUCIENE SOUZA SANTOS A EMÍLIA QUE MORA EM CADA UM DE NÓS: A CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR-CONTADOR DE HISTÓRIAS Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do título de Doutora em Educação. Salvador, 20 de maio de Banca examinadora: Mary de Andrade Arapiraca Orientadora Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) (1996) Professora Associada da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Dinéa Maria Sobral Muniz Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) (2000) Professora Associada da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Lícia Maria Freire Beltrão Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) (2005) Professor Adjunto I da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Maria Antônia Ramos Coutinho Doutora em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (2006) Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Vanessa Cristina Girotto Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (SP), Brasil (2011) Professor Adjunto I da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL)

5 As duas meninas da minha vida... por terem me mostrado sempre o melhor caminho: Maria Conceição dos Santos (in memoriam), minha mãe e Mary Arapiraca, minha orientadora. Sem vocês eu não teria colhido as melhores histórias... 5

6 6 AGRADECIMENTOS Nossa... é chegada a hora... E basta olhar em volta para ter a certeza de que seria necessário o espaço de outra tese para agradecer a toda gente... gente simples, gente grande, gente miúda, gente das maravilhas... O meu primeiro agradecimento vai para o bom Deus... criador de toda gente e senhor das minhas vontades... e vai também para toda sorte de espiritualidade que me empurrou para a frente durante toda a vida: anjos, santos, orixás e bons espíritos. A minha orientadora, Mary de Andrade Arapiraca, minha rainha, minha amiga, minha irmã... por pegar em minha mão... Aos contadores de histórias, gente das maravilhas que atravessaram o meu caminho e despertaram em mim o desejo de narrar... Aos jovens contadores de histórias que se constituíram como tal pela via desta pesquisa... passarinhos dispostos a narrar... sem vocês eu não encontraria o caminho de casa... A Eudes Cunha e Marciela Paula... artistas em plenitude que me ajudaram a colorir a vida e a pesquisa de campo desta tese... e a Fernanda Beltrão (minha Emília) e Obdália Ferraz pelo colorido da defesa... A Keu Apoema, meu filipinho... Toni Edson, Pinduca, Rita Nasser, Ana Luiza e Clara Haddad por terem me emprestado as suas histórias de vida e formação... A Universidade Estadual de Feira de Santana, representada pela professora Malena Besnosik, presente do e no PROLER, parceira de Era uma vez... A Universidade Federal da Bahia, representada pela professora Lícia Beltrão, minha co-orientadora... por ter me ensinado a sonhar em ser uma professora melhor... por isso, no dia que eu crescer... quero ser como ela... Ao Grupo de Pesquisa Educação e Linguagem GELING, representado pela professora Dinéa Sobral... olhar atento e inclusivo diante desta pesquisa... a ela e a todas as meninas... o meu eterno obrigada!

7 7 A banca examinadora, representada pelas professoras Vanessa Girotto e Maria Antonia, pela delicadeza e generosidade das leituras... A Ana Lúcia Gomes e Tatiane Lucena, por terem lido com generosidade esta história quando ela ainda era um projeto... Aos meus amigos César Leiro, Ana Luz e Sônia Vieira pela delicadeza pontuada nas revisões desse texto... A minha mainha, anjo da guarda (Maria, in memoriam), por ter acreditado que eu seria capaz... Agradeço também ao meu pai, Edgard, pela sua imensa capacidade de aprender e converter tudo em histórias... E ao meu filho, Tauã, por ser a engrenagem que moveu e move toda a minha vida... assim como o meu pai... meu nobre cavalheiro... Às minhas irmãs Kika, Lila e Dani... minhas três Marias... estrelas da minha vida... que acreditaram nos meus sonhos como se fossem também delas... Aos seus filhos, meus sobrinhos... por me permitirem experimentar as delícias de ser tia... As tias e tios, representados por Tia Ana, a primeira pessoa a abrir as portas da docência para mim... quando eu ainda era uma menina de 14 anos... Aos meus primos e primas, representados pela Doutora Aninha, cujos olhos representam a cumplicidade dos que nasceram para sonhar... Aos meus avós (in memorian) por terem iluminado a minha memória afetiva com seus causos, cantigas, rezas e toda vida que há nas tradições orais... A Nair, gestora da minha casa e de parte importante da minha vida, presente de mãe antes de virar passarinho, que trouxe entre muitas coisas, uma família nova que agora também é minha... Aos meus amigos, todos eles, de longe e de perto... que sopraram o tempo inteiro o barco dessa história para que ele hoje chegasse ao cais... meus irmãos de alma, meus presentes dos céus, meninos e meninas de minha vida... Cada , telefonema, mensagem... cada palavra e cada silêncio que chegaram de todas as partes foram me ajudando a dançar a dança

8 8 das teses... e hoje, eu me chamo alegria... Não posso escolher um nome para representa-los... por isso, segue todo o alfabeto para a gente se encontrar... Z E T O Z C A R L I M S I M O N E F A B I H O C A K A T I A D R I Y S O N I A F C A L C N W J O E M A N U M S A M N I N H A D X L A I Q M A R C O R O D R I G O O E M A R Y E A A L I N E T O P R I l C M A R I A W E A S P P B C A N E G A E C A Q M I L A E R J A N A E P L I C A O J U G I N H O A A J A C K O P E F R A N P I O N E N E M L E L O Aos obstáculos, dores e perdas que atravessaram o meu caminho... eles foram necessários para que eu me forjasse mais forte... A quem torceu, vibrou, enviou boas energias, fez um pensamento bom... e eu distraída, nem soube... à vocês também o meu obrigada!

9 Contar uma história sempre foi a arte de conta-la de novo.(o Narrador. Walter Benjamin,1984) 9

10 10 RESUMO A partir de uma metáfora a Emília que mora em cada um de nós, o estudo empreendido defende a tese de que existe um portador de memórias em cada pessoa, que pode se revelar e se constituir em contador ou contadora de histórias, se dessa forma se descobrir. Tomando a Faculdade de Educação da UFBA como lócus da investigação, de inspiração etnográfica, e estudantes de Pedagogia como sujeitos da pesquisa, o estudo desenvolveu-se seguindo uma combinação de procedimentos e dispositivos de produção e coleta de dados e informações, o que compreendeu uma necessária pesquisa bibliográfica, entrevistas com contadores de histórias contemporâneos, criação e implementação de uma oficina de contação de histórias para os sujeitos da pesquisa e realização de um grupo focal. Distribuídos em três capítulos Em busca das gênesis da contação de histórias. Testamento da gente das maravilhas, Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades e A Emília que mora em cada um de nós: constituição do pedagogo-contador de histórias, o estudo permitiu expressar, um percurso de contação e escuta de muitas histórias para, ao reaproximar a autora do caminho que a constituiu como contadora, apresentasse entendimentos sobre os percursos percorridos por constituintes da arte de narrar, os sujeitos da pesquisa. Assim, o objetivo da pesquisa foi sendo alcançado, a partir das questões que o nortearam: O que fazer para que esses sujeitos descubram a importância de falar de si, da constituição de sua subjetividade? Como disparar o processo de revelação dos repertórios de histórias que marcaram sua memória afetiva? O que se pode aprender revelando as próprias histórias e escutando as dos outros? Que caminhos podem ser desencadeados para a formação de sujeitos contadores de histórias? Que referências tomar para isso? Tais questões foram respondidas ou, por vezes, desdobradas em muitas outras. As reflexões que o estudo produziu como fruto de todo o percurso, especialmente a partir da interação com os jovens estudantes, autorizam a autora a reafirmar: o contador de histórias aprende a contar a partir da rememoração das suas histórias fundantes memória afetiva, e é contando, muitas e muitas vezes, que ele se forma na arte de contar. Como aprendemos com Bakhtin o outro é que nos constitui, esses jovens contadores foram aconselhados a continuar interagindo com muitos outros contadores, para que, através de outras performances e de outros ensinamentos sobre modos de narrar, se encantem e encantem cada vez mais. Palavras-chave: Contação de histórias. Memória afetiva. Modos de narra. Emília. Formação de contadores de histórias.

11 11 ABSTRACT From the metaphor - Emilia who lives in each of us the study undertaken defends the thesis that there is a bearer of memories in each person and that every person has the potential to become a storyteller, if the person identifies herself as one. Taking the Faculty of Education at UFBA as a locus of research, and ethnographic inspiration, and Pedagogy students as investigation subjects; the study was developed following a combination of procedures and methods of production and collection of data and information. This included a necessary bibliographic search, interviews with contemporary storytellers, creation and implementation of a storytelling workshop for investigating subjects and conducting a focus group. Distributed into three chapters - "In search of the genesis of storytelling. Testament of 'people of Wonders " " "Times have changed, wills have changed" and The Emilia who lives in each of us: the constitution of the 'pedagogue-storyteller'- the study allowed to express a journey of telling and listening of many stories, reconnecting the author to the way that constituted her as an storyteller, and presenting understandings of the way traveled by the constituents of the art of storytelling, the investigation subjects. Thus, the objective of the research was achieved based on questions such as: What can be done in order to help people understand the importance of talking about themselves and the constitution of their subjectivity? How to spark the process of revelation of the repertoires of stories that marked their affective memory? What can be learned from sharing own stories and listening to those of others? In what ways can the formation of subject storytellers be trigered? What references can be used? These questions were answered and at times subdivided in many others. The reflections produced throughout the study, especially from the interaction with young students, allow the author to reaffirm: the storyteller learns to tell from the remembrance of their founding stories - affective memory - and is telling, many, many times, that the art of telling is formed. As we learned from Bakhtin, we are constituted by the work of others. These young storytellers were advised to continue interacting with many others storytellers, so that, through other performances and methods of narrative, they will be continually delighted and enchanted in storytelling. Keywords: Storytelling. Affective memory. Methods of narrative. Formation of storytellers.

12 ENCONTRÊS MARCIELA PAULA/

13 13 SUMÁRIO 1 E ERA UMA VEZ: PREÂMBULO DE UMA NARRATIVA NO PRINCÍPIO ERA ASSIM E ASSIM CONTINUA: DE LEITORA E CONTADORA DE HISTÓRIAS A PESQUISADORA, ESCOLHENDO O OBJETO E OS SUJEITOS DA PESQUISA A ESCOLHA DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA COMO SUJEITOS DE MINHA INVESTIGAÇÃO ENTRE EMÍLIA E CONTADORES DE HISTÓRIAS. POR QUE EMÍLIA? COM QUE OBJETIVO? E O QUE VEIO DEPOIS? O CAMINHO BORDADO: SOBRE ESCOLHAS METODOLÓGICAS EM BUSCA DAS GÊNESIS DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: TESTAMENTO DA GENTE DAS MARAVILHAS PRIMEIRAS PALAVRAS, À GUISA DE EXPLICAÇÕES LEGADOS DAS GENTES DAS MARAVILHAS Legado número um: de encantamento em encantamento, o texto da tradição oral faz-se fonte de sabedoria e ensinamento Legado número dois: as narrativas da tradição oral nos salvam Legado número três: contar histórias sempre foi a arte de contá-las de novo (BENJAMIN, 1994, p. 203) Legado número quatro: os dielis ou griots, agentes ativos da ficcionalidade tradicionalista africana Legado número cinco: as narrativas indígenas, sua diversidade, seus símbolo e sentidos Legado número seis: narrativas bíblicas são partes constituintes do universo dos contos da tradição oral Legado número sete: mulheres são destaque na contação e preservação dos textos da tradição oral legado número oito: minha terra tem palmeiras e histórias de contação de histórias para contar MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES Do tempo de Silenciamento à Reinvenção da Voz: Narradores Orais contemporâneos Tradicionais e Contemporâneos: Somos todos gente das maravilhas O que quer e o que pode essa gente das maravilhas? Das formas de aprendizagem à constituição do acervo: a história de alguns contadores A EMÍLIA QUE MORA EM CADA UM DE NÓS: constituição do pedagogocontador de histórias AFETO E SENSIBILIDADE: MATÉRIA PRIMA DO PEDAGOGO-CONTADOR DE HISTÓRIAS DA MEMÓRIA AFETIVA ÀS HISTÓRIAS FUNDANTES: A ESCUTA DE SI E DO OUTRO A PREPARAÇÃO DO CONTO E DO CONTADOR DE HISTÓRIAS O CONTO: DA ESTÁTUA AO CORPO EM MOVIMENTO A PERFORMANCE: PELEJA DO CONTO E DO CONTADOR PARA COLOCAR A HISTÓRIA DE PÉ

14 5 ENSAIANDO UM FINAL FELIZ REFERÊNCIAS

15 15 1 E ERA UMA VEZ: PREÂMBULO DE UMA NARRATIVA 1.1 NO PRINCÍPIO ERA ASSIM... Esta tese de doutoramento começou a ser gerada, embora sem um contrato discursivo formal, há muitos anos atrás, quando, vestida de azule branco 1, eu fazia meu curso ginasial, e as aulas de Língua Portuguesa eram orientadas essencialmente pela gramática normativa. O pouco que me era oferecido de Literatura, sempre ligada aos clássicos, era permeado por tanta obrigatoriedade, que, ao invés de aproximação, deles me afastava. E foi em meio a essa realidade que, ainda vestida de azul e branco,em ato de leve insurgência, comecei a escapar das aulas e a me inserir num outro tipo de aprendizagem, que mais tarde rotularia de lúdico-transgressora. Isso aconteceu na segunda metade da década de oitenta, período em que se estabelecia, no Brasil, a liberalização política, após duas décadas de ditadura militar. Sem ainda muita consciência histórica do que representava a proclamada abertura política, manifestei meu inconformismo com o que a escola me oferecia, escapulindo dela para frequentar a biblioteca municipal e lá descobrir os livros chegados da Ciranda da Leitura. 2 Se a escola não favoreceu meu movimento leitor, ela representou o que, na psicanálise, se denomina de falta, o vazio produtor de desejos. Burlando regras, eu encontrara uma porta para o lúdico, para minha felicidade clandestina. 3 Burlando regras, contrariando orientações escolares, eu me fiz leitora. A porta da biblioteca abriu outro mundo, longe de gramatiquicese bem perto do que precisava para desenvolver minha sensibilidade e meu interesse pelo mundo ordinário, apresentado de modo (extra)ordinário pelos artistas, escritores e poetas, antenas daraça na linguagem de Ezra Pound. Ezra Pound chamou os artistas de antenas da raça, pois a arte, como o radar, atua como um verdadeiro sistema de alarma premonitório, capacitando-nos a descobrir e enfrentar objetivos sociais e psíquicos com grande antecedência (POUND apud CAMPOS, 2006, p. 13) 1 Referência ao traje da normalista, como era denominada a estudante do Curso Normal, preparatório para o magistério: saia azul-marinho pregueada e blusa de cambraia branca. A expressão ganhou destaque na música Normalista, composição de Benedito Lacerda & David Nasser, cantada por Nelson Gonçalves. No meu caso, era blusa branca e a calça jeans, conforme já era costume no fardamento colegial da época. 2 A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) desenvolveu parcerias com diversas entidades públicas e privadas, realizando projetos como A Ciranda de Livros, apoiada pela Hoescht e pela Fundação Roberto Marinho, que distribuiu livros e incentivou a literatura infantil e juvenil. 3 Título de um conto de Clarice Lispector (1996).

16 16 Foi desse modo que se deu meu ingresso no universo do livro e da leitura, aquela leitura que experimenta toda criatura que se apaixona por livros à mão cheia. 4 A partir daí, construí um repertório de gêneros e autores, e percebi que o ato de ler era, também, um locus propício para descobrir caminhos de vida. Refletindo sobre essa história, a minha própria, a gênese de uma formação leitora, passei a indagar e a refletir sobre a diversidade de situações e contextos que conduzem as criaturas ao mundo dos livros, das histórias. Em consequência, meu entendimento acerca do tempo próprio para a formação do leitor tornou-se mais flexível, pois passei a considerar menos o cronológico e mais o contextual, ou, quem sabe, o tempo-duração de Henri Bergson (2006). Minha história de leitora me remonta à de Emília, a boneca-gente, quando começou a falar a partir da ingestão da pílula falante do doutor Caramujo, conforme trecho de Reinações de Narizinho (LOBATO, 2007, p. 31): Emília engoliu a pílula, muito bem engolida, e começou a falar no mesmo instante. A primeira coisa que disse foi: Estou com um horrível gosto de sapo na boca!. E falou, falou, falou mais de uma hora sem parar. Falou tanto que Narizinho, atordoada, disse ao doutor que era melhor fazê-la vomitar aquela pílula e engolir outra mais fraca. Biblioteca Municipal e Ciranda de Leitura foram as minhas pílulasleiturantes, em analogia à pílula falante de Emília, usando o artifício dos neologismos de Lobato. 1.2 E ASSIM CONTINUA: DE LEITORA E CONTADORA DE HISTÓRIAS A PESQUISADORA, ESCOLHENDO O OBJETO E OS SUJEITOS DA PESQUISA Mais uma vez, as próprias reminiscências. Dessa vez, a memória da década de noventa faz emergir a riqueza que representaram para mim as oficinas de Contação de História dos encontros de leitura promovidos pelo Programa Nacional de Incentivo à Leitura (PROLER), em parceria com a Universidade Estadual de Feira de Santana. Aquelas oficinas abriram as portas da minha alma e do meu entendimento para investigar as narrativas da tradição oral. Organizei um repertório de histórias de épocas e quadrantes diversos desde os mais distantes, africanos, portugueses, franceses, até os mais próximos de nós, brasileiros, 4 Expressão de Castro Alves (1997), presente no poema O livro e a América.

17 17 nordestinos, baianos e com elas construí mil e uma aprendizagens, não somente as registradas nos compêndios e livros didáticos, mas, especialmente, as referentes aos processos de educar pelo sensível: [...] a sensibilidade que funda nossa vida consiste num complexo tecido de percepções e jamais deve ser desprezada em nome de um suposto conhecimento verdadeiro. (DUARTE JÚNIOR, 2001, p. 22). Essa experiência com as narrativas orais, além de impulsionar minha formação na arte de contar histórias, ajudou no mergulho pessoal pela memória afetiva. Por certo, ela determinou uma segura disposição para narrar, narrar, narrar sem parar, para amigos, parentes, alunos, quem quer que fosse que me desse atenção e se mostrasse sensível ao mundo subjetivo das emoções e aos recursos da linguagem na modalidade oral, que apelam para a imaginação e para o coração. Foi nessa inclusão cada vez maior de sujeitos escolhidos para que lhes contasse histórias que agreguei os estudantes de pedagogia da Faculdade de Educação da UFBA, dessa vez como sujeitos da minha pesquisa de Doutorado em Educação. 1.3 A ESCOLHA DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA COMO SUJEITOS DE MINHA INVESTIGAÇÃO As razões da escolha de estudantes de Pedagogia como sujeitos de minha investigação precisam ser reveladas para a compreensão de meu caminho metodológico. Durante o segundo semestre do ano de 2009, atraída pela ementa da disciplina e pela professora responsável por ela, Lícia Beltrão, frequentei as aulas de EDC 236 Oficina de Literatura: por que ler, disciplina de natureza optativa da Faculdade de Educação da UFBA. Tal qual Emília, narradora-mor, em especial de suas reinações, aqueles alunos e alunas retomavam seus percursos formativos rumo à leitura literária e iam, através das oficinas (formato estabelecido para as aulas), constituindo, assim como um dia eu fizera, os espaços de desejo a serem preenchidos pelos livros. Notei, a cada encontro, os estranhamentos do grupo para vivenciar a proposta lúdica e inusitada da professora, que o desafiava a todo instante para que efetivasse, através do dialogismo (BAKHTIN, 1981), o seu direito à voz, direito autoral de quem percebe a importância de suas próprias histórias e se dispõe a narrá-las. A professora desafiava o grupo para experimentar um jeito inusitado de ensinar e aprender que perpassava a ideia de conotação defendida por Barthes (1999).

18 18 Sobre a conotação, valho-me das palavras de Beltrão (2005, p. 236), quando, dialogando com Barthes, diz que: [...] a conotação é uma determinação, uma anáfora, um traço que tem o poder de se relacionar com menções anteriores, ulteriores ou exteriores a outros lugares do texto (ou de outro texto). Topologicamente, a conotação assegura uma disseminaçãodos sentidos, espalhada como palha de oiro sobre a superfície aparente do texto. Semiologicamente, toda conotação é ponto de partida de um código (que não será nunca reconstituído), a articulação de uma voz que está tecida no texto. Dinamicamente, é um domínio a que o texto está submetido, é a possibilidade de exercer esse domínio a que o texto está submetido, é a possibilidade de exercer esse domínio. Foi a partir daí que se revelou a relação estreita entre o comportamento desses sujeitos nas oficinas e o avanço no traquejo para narrar essas histórias e perceber as subjetividades que constituíam a própria formação. Eram estudantes prestes a ingressar, como professores, nas escolas de Ensino Fundamental, e que começavam a ser instigados a reconhecer seus processos de formação pessoal, social e cultural e o quanto isso podia acionar os dispositivos necessários ao seu desenvolvimento profissional. Nesse momento, ao identificar os sujeitos de minha pesquisa, formulei o meu objeto de estudo. Compreendendo que as narrativas orais têm papel fundamental na constituição de subjetividades e na formação inteligível do indivíduo a partir da infância, fica incompreensível o fato de essas narrativas e o ato de contar histórias não se constituírem em importantes acontecimentos curriculares no Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (Faced, UFBA). E foi exatamente a partir relação entre minha própria história de contadora e o encontro com as histórias dos estudantes, na disciplina mencionada, que se deu uma inquietação a qual deu corpo e sentido ao objeto de estudo: constituição de pedagogos desenvoltos na arte de narrara partir da relação entre suas narrativas orais fundantes e o desenvolvimento de práticas formadoras filiadas à contação de histórias. Em outras palavras: considerando que existe uma Emília lobatiana em cada um de nós, o que fazer para que essa Emília venha à tona, se mostre e mostre a possibilidade de constituição de sujeitos preparados para narrar e escutar narrativas próprias e alheias. Eis aí meu interesse, fruto de minha inquietação: trazer para o espaço da academia a discussão sobre a formação de pedagogos dispostos a exercer a escuta de si e do outro a partir das narrativas de tradição oral, considerando a importância dessa escuta como ação

19 19 fundamental na constituição da subjetividade, além de provocadora do pensamento divergente, da flexibilidade e da fluência linguística. 1.4 ENTRE EMÍLIA E CONTADORES DE HISTÓRIAS. POR QUE EMÍLIA? Em 1936, Monteiro Lobato escreveu Memórias da Emília, um livro nomeado com a personagem de maior destaque do Sítio do Picapau Amarelo. Dona de uma personalidade forte, falastrona e criativa, a revolucionária boneca de pano, criada por tia Nastácia, é reconhecida pelos estudiosos da obra do autor como a alma literária lobatiana. Esse livro conta as tentativas da boneca e de um sabugo de milho, o sábio Visconde de Sabugosa, de escreverem as Memórias da Marquesa de Rabicó. 5 E é nesse exercício de escrita colaborativa, no qual cabem fatos verossímeis e inverossímeis, que Emília parece apresentar ao leitor sua forma especial de compreender como se constitui o ato de rememorar a própria história: Tanto Emília falava em minhas Memórias que uma vez Dona Benta perguntou: Mas, afinal de contas, bobinha, que é que você entende por memórias? Memórias são a história da vida da gente, com tudo que acontece desde o dia do nascimento até o dia da morte. Nesse caso caçoou Dona Benta, uma pessoa só pode escrever memórias depois que morre... Espere disse Emília. O escrevedor de memórias vai escrevendo, até sentir que o dia da morte vem vindo. Então para; deixa o finalzinho sem acabar. Morre sossegado. E as suas memórias vão ser assim? Não, porque não pretendo morrer. Finjo que morro, só. As últimas palavras têm de ser estas: E então morri..., com reticências. Mas é peta. Escrevo isso, pisco o olho e sumo atrás do armário para que Narizinho fique mesmo pensando que morri. Será a única mentira das minhas memórias. Tudo mais verdade pura, da dura ali na batata, como diz Pedrinho. (LOBATO, 1984, p.10) 5 Emília ganhou o título de Marquesa depois que se casou com um leitão do sítio, conhecido como Marquês de Rabicó.

20 20 E não morreu mesmo, nem na obra lobatiana nem no imaginário de seus leitores, tanto do texto verbal quanto do audiovisual o televisivo. E a eternidade de sua existência faz-se provocativa, inquietante e bem contemporânea, quando as questões de memória de si aparecem como matéria viva de pesquisa e de educação. O que são memórias de si para a revolucionária cria de Tia Nastácia? Essas indagações são disparadoras de um texto que se ocupa e se preocupa com as histórias dos sujeitos da presente pesquisa. O modo inusitado de Emília gerar e engendrar sua biografia é provocativo e sugestivo para enfrentamento do terrível instante do sujeito, quando olha seu subterrâneo, branco de susto, parafraseando o poeta Mario Quintana (1973): Terrível instante aquele em que olho para a página branca de susto. 6 A condução de Emília ensina que a revelação de si não obedece a regras rígidas e surpreende, inclusive, pela possibilidade de liberdade de autoria. Minha expectativa é de que um processo por nós mediado, de apropriação ou lembrança de histórias pessoais e narrativas ficcionais ou não escutadas e guardadas Deus sabe onde seja disparador do surgimento de narradores de memórias, reveladores de indícios de relações dessas lembranças com o que são, o de que gostam ou desgostam, e até mesmo de como constituíram suas subjetividades. Foi a crença num repertório de narrativas escondidas na memória dos sujeitos da pesquisa da existência de uma Emília que mora em cada um deles, por vezes silenciada na linha do tempo de sua formação, mas possível de vir à tona através de sistemáticos processos dialógicos que determinou um caminho de inspiração etnográfica.com a ajuda de grupo de discussão, em oficinas de contação de histórias inseridas na disciplina optativa instituída por nós (eu e minha orientadora) para oferta no Curso de Pedagogia, encontrei dispositivos de coleta adequados a acontecimentos narrativos de gente para gente e produções discursivas que revelaram condicionantes linguísticos, psíquicos e socioculturais. Com esses dispositivos, desenvolveu-se a dialogia e o exercício da escuta, que se desdobraram em textos colhidos na universidade e para além de seus muros, em espaços de educação não formal, onde um corpus amplo de possibilidades encorpou a pesquisa de base desta tese, a partir da seguinte asserção: existe uma Emília, um portador de memórias que mora em cada um de nós e pode se revelar como contador ou contadora de histórias, se como tal se descobrir. 6 QUINTANA, Mario. O terrível instante. In:. Caderno H. Rio de Janeiro: Editora Globo, p. 416.

21 COM QUE OBJETIVO? Como o ser humano é matéria do desejo, peço licença a quem de direito, o leitor, para expressar quais foram e continuam sendo meus objetivos com este estudo: expressar, em nível de doutoramento, um percurso de contação e escuta de muitas histórias para, ao me reaproximar do caminho que me constituiu contadora, apresentar entendimentos sobre os percursos percorridos por constituintes da arte de narrar, estudantes de Pedagogia da Faced (UFBA), atores da pesquisa. Digo isso assim como Loiseau (1992, p. 11), para quem "[...] contar é constituir o grupo em torno da palavra do mestre, é escolher colocar em cena uma pedagogia da língua que ultrapassa o campo do utilitarismo imediato, e promover a função imaginativa." 1.6 E O QUE VEIO DEPOIS? Considerando o objeto e o objetivo do estudo, um longo percurso de muito pensar e dialogar foi o caminho encontrado para escolher procedimentos que tornassem os encontros, na EDCC60, um espaço que resultasse em revelação da Emília que mora em cada estudante sujeito da pesquisa, ou, pelo menos, alguma parte dela que nele se esconde. Nesse percurso, algumas questões se impuseram. O que fazer para que esses sujeitos descubram a importância de falar de si, da constituição de sua subjetividade? Como disparar o processo de revelação dos repertórios de histórias que marcaram sua memória afetiva? Oque se pode aprender revelando as próprias histórias e escutando a dos outros? Que caminhos podem ser desencadeados para a formação de sujeitos contadores de histórias? Que referências tomar para isso? Dar conta dessas questões foi um caminho sem fim, como o é o das narrativas orais. Também os caminhos das coisas mais importantes da vida não têm fim. Saber o que se pretendia, no entanto, foi uma base razoável para dar a partida. E o ponto de partida foi colocar a cabeça, as mãos e o coração na massa, isto é, a entrega a um processo de interlocução com os sujeitos da investigação, estudantes de Pedagogia da Faced (UFBA), na disciplina mencionada, EDCC60, criada e desenvolvida no segundo semestre de Essa disciplina, cujo programa compõe esta tese (ANEXO A), foi criada por nós, eu e minha orientadora, professora Mary Arapiraca, para compor o espaço, campo empírico da

22 22 pesquisa, constituindo-se, desde já, numa contribuição do nosso percurso no PPGE para a Faculdade de Educação. Desse modo, através do desenvolvimento dessa disciplina, foi possível disparar o percurso metodológico de inspiração etnográfica, como havíamos previsto, compondo um universo de narrativas de si, escolhas de repertórios e indicações de perspectivas capazes de fomentar uma discussão sobre questões do estudo e pontos que dele advieram. Dentre eles, mostrou-se importante demarcar os pontos de relação entre minha própria história de formação de contadora de histórias com a história de formação de contadores de histórias, como estudantes de Pedagogia da Faced (UFBA). É preciso confessar que esse corpus de informações é resultante de um processo marcado pela mediação de uma pesquisadora visceralmente implicada com seu objeto de estudo, que o tempo todo busca reconhecer suas singularidades, da mesma forma que compreende que todos os seres humanos se expressam num conjunto de singularidades. Considerando que meu processo de formação continuada de contadora de histórias vem acontecendo não só em cursos, seminários e encontros, mas também e, de forma especial, mediando práticas de narração em espaços diversos (hospitais, praças públicas, bienais e feiras do livro, escolas, igrejas, universidades),tentei possibilitar práticas semelhantes para que os estudantes, sujeitos da pesquisa, afetados pela confluência de narrativas ficcionais contextualizadas por si e pelo outro, estabelecessem uma ação de diálogo com seus ouvintes e com seus colegas, agora contadores de histórias, em espaços de educação formal e não formal: [...] a educação é abordada enquanto forma de ensino/aprendizagem adquirida ao longo da vida dos cidadãos; pela leitura, interpretação e assimilação dos fatos, eventos e acontecimentos que os indivíduos fazem, de forma isolada ou em contato com grupos e organizações. A educação escolar, formal, oficial, desenvolvida nas escolas, ministrada por entidades públicas ou privadas, é abordada como uma das formas de educação. [...] Usualmente se define a educação não-formal por uma ausência, em comparação ao que há na escola (algo que seria nãointencional, não planejado, não estruturado). Tomando como único paradigma a educação formal. (GOHN, 1999, p ) Assim como Emília e os demais personagens de Lobato se constituíram em tecelões do seu texto, procurei dar linha e tecido, ou seja, embasamentos teórico-práticos aos sujeitos-atores dessa pesquisa, para que compusessem uma história de contadores de histórias, de eternos aprendentes da arte de narrar, na certeza de que os jeitos de se revelar e de se expor são de cada qual. E foi por isso que os espaços de liberdade de expressão foram preservados,

23 23 com a compreensão de que, do mesmo modo que Emília, cada pessoa tem jeitos de dizer o que tem para dizer: Não sei se é filosofia ou não. Só sei que é como sinto e penso e digo.. (LOBATO, 1984, p. 141) As Memórias da Emília que mora na pesquisadora e da Emília boneca-gente de Monteiro Lobato funcionaram como disparadores de memórias, memórias de algumas histórias de relações afetivas e ficcionais, impressões, referências e descobertas de quem precisa cada vez mais ser reconhecido como parte importante da história da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Os capítulos que seguem vão dizer ao leitor se esse foi um caminho que possibilitou o encontro dos sentidos pretendidos. Pensando com Humberto Eco (1978, p. 13), que o texto [...] é uma máquina preguiçosa, que exige do leitor um renhido trabalho cooperativo para preencher espaços de não-dito ou já-dito que ficaram, por assim dizer, em branco, desde já pedimos colaboração. O segundo capítulo se intitula Em busca das gênesis da contação de histórias: testamento da gente das maravilhas 7 e consiste numa, ainda bastante tênue, discussão histórico-reflexiva sobre os legados deixados pela arte de narrar e por seus contadores de histórias, ao longo do tempo, no mundo e no Brasil. A história como fonte de ensinamento e sabedoria e o seu encantamento, a função terapêutica do conto, a herança africana, indígena, feminina e brasileira são temas discutidos no referido capítulo e serviram como disparadores da reflexão,pois nos fizeram repensar o papel da tradições na formação de novos contadores. O terceiro capítulo, Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, título inspirado no primeiro verso de um soneto de Camões 8, discute o retorno dos contadores de histórias, bem como socializa resultados do nosso estudo sobre os contadores de histórias contemporâneos e suas relações de afinidade e diferença com os contadores de histórias tradicionais, a fim de compreender os laços que unem esses narradores do presente com os do passado. Apresentamos, ainda, fragmentos de histórias de alguns contadores contemporâneos, considerando a constituição dos seus repertórios consequentemente, da sua formação nessa arte, substância importante para mediar à relação entre os jovens contadores, estudantes de pedagogia, e a gente das maravilhas, que já se encontra na estrada há pouco mais de uma década. 7 Expressão de origem árabe, usada por Gislayne Matos (2005) em seu livro A palavra do contador de histórias e que se refere ao contador de histórias, aquele que semeia sonhos. 8 Primeiro verso do Soneto 45 de Luís de Camões (1963, p. 284).

24 24 No quarto capítulo, A Emília que mora em cada um de nós: a constituição do pedagogo-contador de histórias, apresentamos o percurso dos estudantes de pedagogia, sujeitos do nosso estudo, em seu processo de constituição como contadores de histórias. Na produção desse capítulo, tivemos a preocupação de considerar marcas que revelaram esses contadores através da memória afetiva, da estética da recepção do conto oral e da performance. Por fim, no último capítulo Ensaiando final feliz, foram apresentadas as considerações finais da tese e retomados os objetivos da pesquisa, no intuito de registrar reflexões sobre os desdobramentos deste estudo em outros espaços e outros tempos de formação. 1.7 O CAMINHO BORDADO: SOBRE ESCOLHAS METODOLÓGICAS [...] pesquisar não é somente produzir conhecimento, é sobretudo aprender em sentido criativo. Demo (2001, p. 43) Como já foi mencionado anteriormente, esta pesquisa se delineia a partir das observações realizadas no primeiro semestre do Doutorado, nas aulas de EDC 236 Oficina de Literatura: Por que ler...,em que as alunas da professora Lícia Beltrão eram convidados a tomar para si o seu direito à voz. Esse período de observação me fez refletir e dimensionar o projeto de doutorado rumo à formação de contadores de histórias, que têm, como principal matéria, a palavra oral. Sou contadora de histórias com plena consciência de como me constituí como tal, mas a necessidade de descobrir como outros contadores se formaram foi uma motivação que se agregou à vontade de saber se as metodologias experimentadas poderiam constituir um caminho metodológico capaz de formar novos contadores de histórias. Foi pensando assim que a revisão bibliográfica deste estudo começou a ser feita no intuito de conhecer o que já existia de discussão sobre a figura do contador. Nesse período, encontrei os livros de Gislayne Matos, Cléo Busatto e Selso Sisto, com quem tive contato presencial posteriormente, e que abriram caminhos para outras referências que foram sendo agregadas em todas as etapas deste estudo.

25 25 Para chegar aos finalmente desta tese, isto é, fechar a escrita do texto que a representa, foi necessário bordar um caminho metodológico de inspiração etnográfica que envolveu três fases: a pesquisa bibliográfica, a entrevista com contadores de histórias que atuam na formação de outros contadores e a oferta de uma disciplina optativa, criada por nós, visando a formar novos contadores de histórias, estudantes de Pedagogia. A coleta de dados durante tais etapas foi realizada através de uma combinação de procedimentos e dispositivos de coleta diversos, que serão melhor compreendidos a partir de agora A pesquisa bibliográfica A pesquisa de campo e a bibliográfica se deram concomitantemente, mas o ponto de partida da última foram obras de autores que discutem a formação do contador de histórias e a valorização das narrativas orais. Para isso, tomamos os autores já citados como ponto de partida e integramos a eles as reflexões de Walter Benjamin, em seu ensaio O narrador, na antológica obra de Bruno Bettelheim (2004) A psicanálise dos contos de fadas. Foram também consultados os estudos de Maria Inês de Almeida e Sônia Queiroz (2004), Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil, a discussão estabelecida pelos tradicionalistas, especialmente sobre a tradição oral africana, os estudos Jan Vansina, autor de A tradição oral e sua metodologia, texto constituinte do sétimo capítulo do primeiro tomo de uma obra apresentada em oito volumes intitulada História geral da África, produzida pelo Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História geral da África, publicada no Brasil pelo MEC, em A partir dessa última obra, estudamos o texto A tradição viva, de Amadou Hampaté Bá (2010), grande defensor e divulgador das tradições culturais africanas. Valemo-nos, também, dos documentos encontrados no site da Casa da Leitura da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e em páginas de artigos científicos, a exemplo do SciELO - Scientific Electronic Library Online. O estudo bibliográfico alimentou principalmente, o primeiro capítulo Em busca das gênesis da contação de histórias: testamento da gente das maravilhas, espaço dedicado à reconstituição de alguns dos principais legados deixados pelos contadores de histórias tradicionais no Brasil e no mundo. Para melhor compreensão do leitor, cada legado foi sustentado por um argumento, seguido por uma rápida discussão e, por fim, por uma ementa

26 26 que ensaiou sintetizar o argumento de cada legado. Foram oito legados: o primeiro, relacionado à sabedoria e a tradição; o segundo referente a Sahrazad 9 e a sua capacidade de postergar a morte (as narrativas da tradição oral nos salvam); o terceiro defendendo a ideia de que contar histórias é sempre a arte de contá-la muitas e muitas vezes; o quarto, trazendo os narradores tradicionais da África; o quinto, as narrativas indígenas; o sexto, a contextualização das narrativas bíblicas no âmbito dos contos da tradição oral; o sétimo, a figura da mulher como importante responsável pela preservação do texto de tradição oral; e o oitavo, o legado dos folcloristas, compiladores, pesquisadores e contadores de histórias tradicionais do Brasil A entrevista Paralelamente ao estudo bibliográfico que deu origem aos legados, fomos organizando o roteiro de entrevista (ANEXO B), instrumento utilizado para compreender a constituição do acervo de contadores de histórias que hoje promovem a formação de outros contadores. Convidamos cinco profissionais da área, sendo dois homens e três mulheres, quatro moradores da Bahia e uma residente em São Paulo. Dois deles participaram também da oficina, espaço empírico deste estudo. O critério de escolha se deu pela relação que esses profissionais têm com as áreas de arte pois se apresentam como contadores de histórias e de educação, já que são acadêmicos e trabalham com a formação de professores. Todos estão no mercado de trabalho há pouco mais de dez anos e já possuem certo reconhecimento em suas comunidades, dado o montante de eventos e formações que efetivam a cada ano. Ao serem convidados, estabeleceram um dia e horário para um encontro e se dispuseram a gravar as suas entrevistas, que revelaram, entre outras coisas, repertórios e um processo minucioso da própria formação Pesquisa de campo: a oficina 9 Forma gráfica para a protagonista das Mil e uma noites, Sherazade.

27 27 Por fim, estruturamos a EDCC60 Vamos contar outra vez? Oficina de contação de história como espaço empírico desta pesquisa. Com o olhar bem atento sobre o objeto, a tese e o objetivo deste estudo, foi possível definir um planejamento pedagógico e, ao mesmo tempo, uma abordagem metodológica que, juntos, foram capazes de revelar indicadores importantes para a construção do texto da tese. O programa da oficina foi estruturado em torno da seguinte temática: A tradição oral e o conto de tradição oral; a estética do texto oral; a arte de contar história; memória e repertório do contador de história. Essa oficina, hoje componente curricular do curso de Pedagogia da UFBA, teve a duração de 68 horas, com trinta e três alunos matriculados, sendo um do sexo masculino e os demais do feminino. As razões que os levaram à escolha dessa optativa foram diversas e se revelaram no primeiro grupo de discussão realizado na aula 1, do dia , expostas no Capítulo 3, deste estudo. Desse universo, apenas duas alunas desistiram. Toda a oficina foi desenvolvida a partir de reminiscências dos constituintes do grupo e de sua crescente compreensão do significado das narrativas orais como fonte de afetividade, de constituição de subjetividades e de descoberta de estilos de contação de histórias. Nesse sentido, o movimento dela se constituía de processos de escuta e reflexão, de discussão sobre temáticas ligadas à formação do contador de histórias, de aquecimento e atividades de corpo; de rodas de contação com experimentação de modos diversos de narrar. Para acrescer novas experiências de recepção e estética, alguns convidados vieram partilhar o seu conhecimento e deixaram as suas marcas como também pode ser observado no capítulo 3. Keu Apoema, contadora de histórias e formadora de contadores,contribuiu, especialmente, para os entendimentos da turma sobre a tradição oral como patrimônio da humanidade e ferramenta de aproximação e diálogo entre tempos e pessoas. O músico e professor Eudes Cunha e a artista plástica Marciela Paula promoveram a inserção de elementos externos à arte de contar histórias e, com seus instrumentos e tapetes, mostraram ao grupo outras formas de explorar a narrativa oral. O professor brincante e contador de histórias Pinduka trouxe importantes informações sobre as paisagens sonoras dos ambientes urbanos, a sala de aula inclusive, e sua relação com os processos narrativos. No total, foram dezessete encontros de quatro horas, sendo três deles fora dos espaços da Universidade. Nos encontros em sala de aula, houve oportunidade de estudo de autores, compiladores e folcloristas que defendem a bandeira da Literatura Oral.

28 28 Das três atividades de campo, a primeira se desenvolveu através da contação de histórias em espaços de educação formal e não formal: creches, escolas, asilos, praças e igrejas. Apesar de terem ido a campo em duplas ou em trios, o desafio foi contar individualmente uma história. Após a atividade, registrada em fotos, vídeos e textos, o grupo apresentou, na sala, os efeitos de sentido dessa experiência e revelou, entre outras coisas, a emoção de interagir com outras pessoas pela via das histórias. A segunda experiência de campo foi uma visita à Biblioteca Monteiro Lobato, onde o grupo se preparou para realizar uma roda de histórias. Lá, eles fizeram uma visita monitorada para se apropriar da estrutura e concepção de uma biblioteca infantil e fizeram os ensaios de palco para a realização da roda. E a terceira atividade de campo foi à roda de histórias realizada no evento do Grupo de Pesquisa Educação e Linguagem (GELING), intitulado Uma vez todo mês 10. Além da exposição dos seus modos de narrar, os atores desta pesquisa vivenciaram outro grupo de discussão, ao final do semestre, em , onde tematizaram, entre outras questões, a importância da formação de professores como contadores de histórias. Com as falas dos estudantes sujeitos da pesquisa, eclodidas dos grupos de discussão, e com sua experiência performática nas rodas de contação, foi possível alimentar o terceiro capítulo da tese, que apresenta uma discussão sobre a formação do contador de histórias no curso de Pedagogia, e uma reflexão sobre o ato de educar pela via do afeto e da sensibilidade. Para estruturar a análise dos dados colhidos com nossos estudantes, sujeitos deste estudo, escolhemos três categorias de análise que nos ajudaram a revelar o objeto deste estudo: constituição de pedagogos desenvoltos na arte de narrar a partir da relação entre suas narrativas orais fundantes e o desenvolvimento de práticas formadoras filiadas à contação de histórias. A primeira categoria foi a memória afetiva, revelada pelo grupo de discussão realizado no início do semestre letivo, através da qual os estudantes experimentaram falar de si e ouvir o outro, nesse mesmo movimento gerador de aprendizagem e do desejo de narrar. A segunda categoria foi o estudo do conto de tradição oral e a recepção desse gênero pelos contadores em formação, quando os atores da pesquisa experimentaram a escuta e a leitura de contos tradicionais para, posteriormente convertê-los em novas narrativas orais. E a terceira categoria 10 Mesmo sendo esse um evento que costuma ocorrer sempre na última segunda-feira de cada mês, para adaptarse a realidade do grupo, que tinha aula às terças-feiras, o GELING promoveu a atividade no dia 29/11/2013.

29 29 foi a performance, em que a análise ultrapassou o conteúdo textual e perpassou também os gestos e outros seis elementos, responsáveis pelas boas práticas da contação de histórias, expressão usada por Matos (2005) para falar de ritmo, energia, expressão, poder, memorização e improviso. A experiência benfazeja do nosso estudo nos dá vontade de começar de novo e incluir outros dispositivos tanto de coleta quanto de registro de dados. Gostaríamos, por exemplo, de incluir a escuta dos ouvintes das histórias de nossos estudantes. Gostaríamos também de construir a tese fazendo uso do aparato tecnológico (vídeo, podcast, gravações), o que ajudaria o leitor a ver a performance dos jovens contadores de histórias aqui descritos. Mas isso já seria outro movimento, similar ao de Sahrazad, que, em suas Mil e uma noites, entrou e saiu de histórias numa tentativa de prolongar a vida e as narrativas...

30 30 2 EM BUSCA DAS GÊNESIS DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: TESTAMENTO DA GENTE DAS MARAVILHAS [...] a reminiscência funda a cadeia da tradição, que transmite os acontecimentos de geração em geração. (BENJAMIN, 1994, p. 211) 2.1 PRIMEIRAS PALAVRAS, À GUISA DE EXPLICAÇÕES Certa vez, tivemos a oportunidade de participar de uma mesa redonda com uma contadora de histórias de Salvador, uma doce avó que compartilhava conosco as suas narrativas aprendidas através da tradição oral, oriundas do Recôncavo. Tal foi a minha surpresa quando, ao final da nossa fala como narradora oral contemporânea, apresentando os modos de narrar de maneira didática, ela surgiu com uma questão que denotava a mais pura surpresa: Ué, eu não sabia que existia aula para a gente aprender a contar histórias [...]. Essa foi a primeira vez que paramos para refletir sobre quem é, afinal, o contador de histórias e como ele se forma. Essa não foi uma reflexão qualquer, um pensamento passageiro. Ao contrário, foi daqueles que se transformam em quase ideia fixa, em preocupação que nos acompanha por muito tempo, por onde quer que a gente vá. A prova disso é que a questão levantada por aquela adorável senhora gerou o presente capítulo desta tese. Para inaugurá-lo, escolhemos como epígrafe um fragmento do ensaio de Walter Benjamin, O narrador, o qual explicita, de modo poético, o papel da memória para a existência da tradição. Essa epígrafe constitui uma ínfima parte de um texto que acolhemos como um legado, porque sobrevive pela sabedoria que encerra para nós, contadoras e contadores de histórias. Como Ítalo Calvino, decidimos nos tornar um elo da anônima cadeia sem fim pela qual as fábulas se perpetuam, elos que não são jamais puros instrumentos, transmissores passivos, mas seus verdadeiros autores. (CALVINO, 2006, p. 23) Para a construção do capítulo, escolhemos um título inspirado na Bíblia, livro sagrado dos cristãos, que contém uma das mais completas narrativas da tradição oral, a qual é dividida em Antigo Testamento e Novo Testamento. Considerando que, no reino da contação de histórias, nada é só passado nem só presente, decidimos utilizar unicamente a expressão testamento, para evocar legados da tradição oral para a constituição dos contadores ao longo de sua história, com a consciência de que a tradição oral não é passado perfeito, mas passado imperfeito, o que empresta sentido à continuidade: havia, existia, era uma vez, bem

31 31 diferente de houve, existiu, foi. Mesmo porque, discípulas que somos de Ítalo Calvino, com ele aprendemos que as fábulas expressão usada para contos da tradição oral são iguais em todos os lugares (CALVINO, 2006, p. 19) Capturar da Bíblia a expressão testamento para compor o título deste capítulo, na perspectiva de significar teias de contribuições que sustentam a formação do contador de histórias pelos séculos dos séculos, não tem relação alguma com o aproveitamento da linguagem bíblica como discurso autoritário, muito menos a colocação da figura do contador ou da literatura oral num espaço sagrado, de difícil acesso, distante do homem comum. Capturamos também a expressão gente das maravilhas a partir da informação que extraímos de Gislayne Matos e Cecília Caram (1996), de que ela foi usada pelos árabes para nomear os contadores de histórias: Os contadores de histórias são uma espécie de guardiães de tesouros. Não daqueles que possam comprar o mundo, mas dos tesouros que ensinam a compreender o mundo e a si mesmo. Eles semeiam sonhos e esperanças, sendo chamados de gente das maravilhas pelos árabes. (MATOS E CARAM, 1996, p. 8) Para o leitor continuar acompanhando nosso percurso de composição do capítulo, informamos que, para evocar alguns saberes acerca da contação de histórias e da figura do contador desde os tempos de antanho e compor um texto sobre legados recebidos dos textos da tradição oral e da gente das maravilhas, desenvolvemos um movimento de estudos de natureza bibliográfica, o qual foi desencadeado a partir da necessidade própria de compreensão do significado das expressões tradição e tradição oral. Essa necessidade encontrou guarida em Jan Vansina, (2010), autor de A tradição oral e sua metodologia, texto constituinte do sétimo capítulo do primeiro tomo de uma obra intitulada História Geral da África, produzida pelo Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África, publicada no Brasil pelo MEC, em Com Vansina (2010, p. 140), compreendemos e assumimos que A tradição pode ser definida, de fato, como um testemunho transmitido verbalmente de uma geração para outra. Quase em toda parte, a palavra tem um poder misterioso, pois palavras criam coisas. Isso, pelo menos, é o que prevalece na maioria das civilizações africanas.



anã©is de ouro

21.757 resultados

Ouro

Feminino

Organizar anúncios

Anel Solitário (4.490)

Anel de Formatura (2.922)

Anel Vazado (492)

Anel Religioso (373)

Anel Com Pingentes (294)

Anel Com Letras (292)

Anel de Infinito (172)

Anel da Maçonaria (66)

Anel de Laço (60)

Novo (19.321)
Usado (2.103)
São Paulo (10.164)
Paraná (2.713)
Rio Grande do Sul (1.530)
Minas Gerais (1.481)
Bahia (945)
Rio de Janeiro (920)
Santa Catarina (861)
Distrito Federal (760)
Goiás (673)
Até R$450 (7.178)
Mais de R$1.000 (7.561)
R$450 a R$1.000 (7.018)
Frete grátis (18.144)
Mercado Envios (20.515)
Sem juros (16.059)
Mais de 10% off (23)
Mais de 20% off (13)
Mais especificações
Preço fixo (21.667)
Arremate (90)
Melhores vendedores (5.703)
Anunciados hoje (90)
Termina hoje (12)

  1. Solitário Ouro Branco Com Brilhante De 30 Pontos!!! R$ 3.999
  2. Aneis Ouro 18k - Joiaweb www.joiaweb.com.br Anel Ouro 18k -A Vista 10% Descont Parcelamos 10x Sem Juros Cartão
  3. Anel Solitario Ouro 18k produto.mercadolivre.com.br A Escolher Ouro 18k 750 Frete Gratis Preço De Custo
  4. Pingente Menino E Menina produto.mercadolivre.com.br Ouro 18k Pronta Entrega
  5. Par De Alianças De Ouro produto.mercadolivre.com.br 18k 6 Mm 10 Gramas Brilhantes

Anuncie aqui


Corrente Ouro 18k Oca - www.rubiacolonialjoias.com.br - Compre Direto Da Fábrica!! Garantia Permanente Anuncie aqui
    • Promoção Anel Noivado Solitário Zircônia 6mm Em Ouro 18k 750
    R$ 144 R$ 189 23% OFF 12x R$ 13 73

    Promoção Anel Noivado Solitário Zircônia 6mm Em Ouro 18k 750

    11 129 vendidos - São Paulo
    • Anel De Pérola Legítima Ouro 18k 750
    R$ 159 R$ 179 10% OFF 12x R$ 13 29 sem juros

    Anel De Pérola Legítima Ouro 18k 750

    2 99 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Feminino Compromisso Ouro 18k .
    R$ 357 R$ 464 23% OFF 12x R$ 33 90

    Anel Solitário Feminino Compromisso Ouro 18k .

    10 59 vendidos - Distrito Federal
    • Anel Em Ouro 18k 3 Cores,frete Grátis
    R$ 260 12x R$ 21 66 sem juros

    Anel Em Ouro 18k 3 Cores,frete Grátis

    23 158 vendidos - São Paulo
    • Anel Em Coração Vazado Aparador Ouro 18k Frete Grátis.
    R$ 160 12x R$ 13 33 sem juros

    Anel Em Coração Vazado Aparador Ouro 18k Frete Grátis.

    15 165 vendidos - Distrito Federal
    • Anel Solitário Ouro 18k Zircônia Namorado Noivado 15 Anos
    R$ 180 12x R$ 17 09

    Anel Solitário Ouro 18k Zircônia Namorado Noivado 15 Anos

    5 34 vendidos - São Paulo
    • Promoção Anel Aparador Diamantado Joia Ouro 18k 750 + Brinde
    R$ 269 R$ 349 22% OFF 12x R$ 25 60

    Promoção Anel Aparador Diamantado Joia Ouro 18k 750 + Brinde

    1 95 vendidos - São Paulo
    • Anel Ouro 18k 750 Entrelace Tricolor + Certificado + Frete
    R$ 365 12x R$ 34 67

    Anel Ouro 18k 750 Entrelace Tricolor + Certificado + Frete

    7 59 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Feminino Zirconia Ouro 18k
    R$ 165 12x R$ 13 75 sem juros

    Anel Solitário Feminino Zirconia Ouro 18k

    20 vendidos - São Paulo
    • Anel Coração Ouro 18k Frete Grátis.
    R$ 160 12x R$ 13 33 sem juros

    Anel Coração Ouro 18k Frete Grátis.

    6 36 vendidos - Distrito Federal
    • Anel Namorada Grande Em Ouro Amarelo 18k/750 Mais Brilhantes
    R$ 1.561 12x R$ 130 11 sem juros

    Anel Namorada Grande Em Ouro Amarelo 18k/750 Mais Brilhantes

    7 vendidos - Bahia Publicidade
    • Anel Xuxa Quadrado Em Ouro 18k,frete Gratis
    R$ 199 12x R$ 16 58 sem juros

    Anel Xuxa Quadrado Em Ouro 18k,frete Gratis

    6 56 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitario Maciço Ouro 18k 750 7mm Escolha A Cor
    R$ 240 12x R$ 19 99 sem juros

    Anel Solitario Maciço Ouro 18k 750 7mm Escolha A Cor

    6 48 vendidos - Minas Gerais
    • Anel Chuveiro Zircônia A155 Em Ouro 18k 750
    R$ 280 R$ 364 23% OFF 12x R$ 23 33 sem juros

    Anel Chuveiro Zircônia A155 Em Ouro 18k 750

    27 190 vendidos - São Paulo
    • Anel De Prata E Ouro 12 3 Três Aros Elos Triplo Frete Gratis
    R$ 90 12x R$ 7 49 sem juros

    Anel De Prata E Ouro 12 3 Três Aros Elos Triplo Frete Gratis

    21 150 vendidos - Rio Grande do Sul
    • Anel Solitario Maciço Ouro 18k 750 Aro Duplo Escolha A Cor
    R$ 189 R$ 246 23% OFF 12x R$ 15 74 sem juros

    Anel Solitario Maciço Ouro 18k 750 Aro Duplo Escolha A Cor

    80 422 vendidos - Minas Gerais
    • Anel Solitário De Ouro 18k -750 Vermelho Rubi
    R$ 176 12x R$ 14 67 sem juros

    Anel Solitário De Ouro 18k -750 Vermelho Rubi

    69 vendidos - São Paulo
    • Anel Ouro 18k 750 Entrelace Tricolor - Todos Os Aros + Nf
    R$ 390 R$ 507 23% OFF 12x R$ 32 50 sem juros

    Anel Ouro 18k 750 Entrelace Tricolor - Todos Os Aros + Nf

    23 134 vendidos - São Paulo
    • Anel Oferta Terço Pai Nosso Ouro Amarelo 18k 750
    R$ 290 12x R$ 24 17 sem juros

    Anel Oferta Terço Pai Nosso Ouro Amarelo 18k 750

    9 85 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Em Ouro 18k Zircônia Promoção
    R$ 177 12x R$ 14 75 sem juros

    Anel Solitário Em Ouro 18k Zircônia Promoção

    1 39 vendidos - São Paulo
    • Anel Glamour Feminino Status Jóia Top Luxo Prata Ouro Barato
    R$ 113 12x R$ 9 41 sem juros

    Anel Glamour Feminino Status Jóia Top Luxo Prata Ouro Barato

    17 145 vendidos - Rio Grande do Sul
    • Anel Solitário Ouro 18k Zircônia Debutante Noivado Namorado
    R$ 180 12x R$ 17 08

    Anel Solitário Ouro 18k Zircônia Debutante Noivado Namorado

    14 121 vendidos - São Paulo
    • Anel Em Ouro 18k Zircônia De 8mm Translucida Ft Gratis
    R$ 250 12x R$ 20 83 sem juros

    Anel Em Ouro 18k Zircônia De 8mm Translucida Ft Gratis

    24 170 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Zircônia Em Ouro 18k - 750
    R$ 280 12x R$ 23 33 sem juros

    Anel Solitário Zircônia Em Ouro 18k - 750

    7 vendidos - São Paulo Publicidade
    • Par Anel Aliança Titânio Cerâmica Banhado Ouro 18k
    R$ 279 12x R$ 23 25 sem juros

    Par Anel Aliança Titânio Cerâmica Banhado Ouro 18k

    14 136 vendidos - Goiás
    • Anel Noivado Solitário Zircônia Em Ouro 18k Á Vista
    R$ 152 12x R$ 14 43

    Anel Noivado Solitário Zircônia Em Ouro 18k Á Vista

    22 132 vendidos - São Paulo
    • Anel De Noivado Solitário Em Ouro 18k 750 Feminino Zircônia
    R$ 290 12x R$ 24 16 sem juros

    Anel De Noivado Solitário Em Ouro 18k 750 Feminino Zircônia por Olist

    19 vendidos - São Paulo
    • Anel Noivado Solitário Zircônia Em Ouro 18k
    R$ 160 12x R$ 13 33 sem juros

    Anel Noivado Solitário Zircônia Em Ouro 18k

    42 284 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Feminino Princesa 15 Anos Banhado Ouro 18k
    R$ 99 12x R$ 8 25 sem juros

    Anel Solitário Feminino Princesa 15 Anos Banhado Ouro 18k

    15 121 vendidos - Paraná
    • Anel Simbolo Do Infinito. 18k/750 An77
    R$ 175 12x R$ 14 58 sem juros

    Anel Simbolo Do Infinito. 18k/750 An77

    10 149 vendidos - Rio Grande do Sul
    • Anel Solitário Feminino Luxo Zirconia Banhado Ouro 18k
    R$ 89 12x R$ 7 42 sem juros

    Anel Solitário Feminino Luxo Zirconia Banhado Ouro 18k

    13 1092 vendidos - Paraná
    • Promoção Anel Solitário Coração 6mm Aro Duplo Ouro 18k 750
    R$ 160 12x R$ 15 20

    Promoção Anel Solitário Coração 6mm Aro Duplo Ouro 18k 750

    2 59 vendidos - São Paulo
    • Anel Chuveiro Coração Zircônia Em Ouro 18k - 750
    R$ 314 12x R$ 26 13 sem juros

    Anel Chuveiro Coração Zircônia Em Ouro 18k - 750

    3 37 vendidos - São Paulo
    • Lindo Anel De Formatura Feminino Em Ouro 18 K E Frete Gratis
    R$ 399 12x R$ 33 25 sem juros

    Lindo Anel De Formatura Feminino Em Ouro 18 K E Frete Gratis

    2 26 vendidos - São Paulo
    • Anel Em Ouro 18k
    R$ 690 12x R$ 57 49 sem juros

    Anel Em Ouro 18k

    5 21 vendidos - Distrito Federal
    • Promoção Anel Feminino Ouro De Formatura 18k Zirconia
    R$ 390 12x R$ 32 49 sem juros

    Promoção Anel Feminino Ouro De Formatura 18k Zirconia

    5 28 vendidos - Distrito Federal
    • Anel Chuveiro Zircônia A186 Em Ouro 18k 750
    R$ 260 12x R$ 21 63 sem juros

    Anel Chuveiro Zircônia A186 Em Ouro 18k 750

    15 vendidos - São Paulo Publicidade
    • Anel Em Coração Ouro 18k,com Garantia,frete Grátis
    R$ 240 12x R$ 19 99 sem juros

    Anel Em Coração Ouro 18k,com Garantia,frete Grátis

    13 221 vendidos - São Paulo
    • Anel Solitário Em Ouro 18k Pedra Zircônia Debutante Noivado
    R$ 190 R$ 247 23% OFF 12x R$ 15 83 sem juros

    Anel Solitário Em Ouro 18k Pedra Zircônia Debutante Noivado

    66 555 vendidos - São Paulo
    • Anel Feminino Banhado Ouro 18k 5 Camadas Cristais Austríacos
    R$ 99 12x R$ 8 25 sem juros

    Anel Feminino Banhado Ouro 18k 5 Camadas Cristais Austríacos

    96 1268 vendidos - Paraná
    • Anel Em Ouro 18k Calice Pedra 10 Mm,frete Grátis
    R$ 190 12x R$ 15 83 sem juros

    Anel Em Ouro 18k Calice Pedra 10 Mm,frete Grátis

    10 74 vendidos - São Paulo
    • Anel Coração Ouro 18k 750 Feminino 3 Ouros - Todos Os Aros
    R$ 280 12x R$ 26 60

    Anel Coração Ouro 18k 750 Feminino 3 Ouros - Todos Os Aros

    6 49 vendidos - São Paulo
    • Lindo Anel De Formatura Em Ouro 10k!!!a11
    R$ 299 12x R$ 28 40

    Lindo Anel De Formatura Em Ouro 10k!!!a11